segunda-feira, 16 de junho de 2008

Melhorando desempenho do Linux (usando o pendrive)

Em um último post que fiz, sobre melhorar o desempenho do Windows, tendo como ferramenta em mãos um pendrive (, não coloquei o Linux como outro SO beneficiado.

Bem... eu realmente não esqueci. É que o tema merece um capitulo à parte e usando a mesma teoria (veja o artigo comentado acima para entender melhor) podemos melhorar o Linux também.

Mas lembrando que os benefícios são inversamente proporcionais a quantidade de memória física disponível, ou seja, um servidor com 256MB de ram rodando web (apache) + email (postfix) + banco de dados (postgresql) + antispam + webmail + alguns usuários simultâneos (uns 50) já são o suficiente para pouco desempenho do sistema.

Não vou entrar nos detalhes sobre o custo da compra de mais memória ou troca de equipamento. Pois certamente sempre é possível fazer um bom negócio e , com um pouco de investimento, adquirir um equipamento melhor. Assim consideramos nesse nosso experimento apenas a melhoria com um pendrive de 256M ou mais.

A vantagem é a ativação da memória virtual por USB sem precisar desligar o equipamento. Se não sabe exatamente do que estou falando, ainda reforço para você a leitura do artigo comentado no começo do texto.

Então vamos com a mão na massa!

Primeiro seu servidor tem que estar habilitado com a capacidade de USB. Falo aqui de um kernel relativamente novo (2.6.xx apesar de já funcionar bem com o 2.4.xx e 2.2.xx).

Drivers USB:
se seu kernel não esta com os modulos carregados automaticamente, não há problema; carregue o drive usb_storage, ele carregará os outros drivers necessários (como o usbhid, uhci_hcd).

se observar pelo comando dmesg | grep sd , voltará a seguinte informação:
-------.-----------.-----------.-----------.---------.-
USB Mass Storage support registered.
usb-storage: device scan complete
scsi 2:0:0:0: Direct-Access Kingston DataTraveler 2.0 PMAP PQ: 0 ANSI: 0 CCS
sd 2:0:0:0: [sdd] 15646720 512-byte hardware sectors (8011 MB)
sd 2:0:0:0: [sdd] Write Protect is off
sd 2:0:0:0: [sdd] Mode Sense: 23 00 00 00

sd 2:0:0:0: [sdd] Assuming drive cache: write through
sd 2:0:0:0: [sdd] 15646720 512-byte hardware sectors (8011 MB)
sd 2:0:0:0: [sdd] Write Protect is off
sd 2:0:0:0: [sdd] Mode Sense: 23 00 00 00
sd 2:0:0:0: [sdd] Assuming drive cache: write through
sdd: sdd1 sdd2 -------.-----------.-----------.-----------.---------.-


Ok, o drive USB esta disponível, mas como usar a memória virtual?

Você pode fazer o seguinte:

1) Se o pendrive for exclusivamente para isso (apenas se for pequeno):

voce pode formatar o pendrive inteiro com o comando

# mkswap /dev/sdd1

Para adicionar o swap(memória virtual) ao sistema em operação:

# swapon -p 1 /dev/sdd1

onde o "-p 1 " significa que a prioridade é ligeiramente maior que o algum outro sistema swap já montado.

2) se o pendrive será usado, em parte, como um de 8G, repartiremos no seguinte:

7,5G para arquivos e 0.5G no swap.

fdisk /dev/sdd

e a seguinte sequência de teclas de comandos:
d -> n -> p -> 1 -> -> +7500M ->
n -> p -> 2 -> -> -> a -> 1 -> t -> 2 -> 82 -> w

onde :

d -> o d é para apagar a partição existente (faça um backup dos dados antes de apagar tudo)
n -> isso criará uma nova partição
p -> a partição será primária
1 -> o número da partição
-> seria a prória tecla "enter" do teclado
+7500M -> significa adicionar 7500Mbytes (ou 7,5G e se tirar isso dos 8G, ainda sobrará 0.5 G)
a -> diz quem será a partição primária
t -> modifica o tipo do sistema de arquivos
82 -> o tipo de sistema de arquivos é o "linux swap"

para finalizar o "w" que grava tudo que foi feito e ativa as modificações.

nesse momento é só repetir o processo das dicas do item 1:

você pode formatar o pendrive inteiro com o comando

# mkswap /dev/sdd2

Para adicionar o swap(memória virtual) ao sistema em operação:

# swapon -p 1 /dev/sdd2


Com o servidor mencionado no começo do artigo a adição de uma memória flash USB 2.0 de mais de 256M ,isso por causa da quantidade da memória, ou mais de 4G ,por cauda do desempenho das tecnologias mais atuais, é uma maneira simples, rápida e pouco intrusiva, sem abrir equipamento ou parar o sistema.

Com esse artifício o servidor web tem uma resposta melhor e nos gráficos por mês, aumentou em 20% nos acessos por minuto, e 50% nos acesso ao I/O (entrada e saída) do pendrive.

Ainda pude me arriscar a ligar o antivírus, pois apesar do recurso gastar um bom processamento, o sistema operacional consegue liberar e recuperar a memória virtual rápidamente com o pendrive.
Postar um comentário